Acidentes de moto representam 66,8% das indenizações pagas pelo DPVAT no AP

Mais de 66,8% das indenizações pagas no Amapá pelo Sem riscos de Danos Pessoais Ocasionados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT), de janeiro a julho deste ano, envolveram acidentes de motocicletas. Os dados são da seguradora responsável pela meneio do sem riscos obrigativo.

Vítimas de acidentes de tráfego, sejam condutores, passageiros ou pedestres evidencia direito à recuperação em caso de morte (familiares recebem) e invalidade, além de recuperação das despesas médicas e hospitalares. De janeiro a julho foram pagos 377 seguros no estado, sendo que, desse completo, 252 envolveram acidentes de motos.

Na maior parte dos casos, de acordo com dados, as vítimas ficaram inválidas permanentemente. Em 80 casos, o pagamento foi por recuperação de Despesas de Assistência Médica e suplementares (Dams), e 45 famílias receberam sem riscos por morte.

74% das indenizações pagas pelo DPVAT foram para motociclistas

Desempregado em razão de acidente causado por mote, Dumiran Cardoso faz parte dessa recenseamento. Ele conta que foi vítima da imprudência no tráfego. “Ia andando na rua e o cara, apenas grosso, me atr recuperação tá complicado, é ofendido demais. Porém lentamente a gente chega lá, falou.

Cardoso é um dos pacientes que recebe tratamento imotivado na especialidade de traumatologia do Centro de Recuperação do Amapá (Creap), no qual o algarismo de acidentados por mote similarmente é maior parte.

DPVAT

“ Para se ter uma ideia, tivemos, até agosto de 2018, 180 pacientes na especialidade de traumatologia vítimas de acidente de tráfego. A cada 10 pacientes que entram aqui por acidente de tráfego, 7 são ocasionados por mote. Desse completo [ de 180], 60% são homens e 40% são mulheres, na banda etária entre 18 e 60 anos”, informou o coordenador técnico do Creap, Mário Coimbra.

O DPVAT é o sem riscos que cobre acidentes de tráfego, porém pouca gente sabe que os pedestres similarmente são capazes de ser beneficiados. Em 2018, mais de 2,3 mil indivíduos foram indenizadas no Tocantins. Sendo que 944 eram pedestres.

O sem riscos protege indenizações a vítimas de acidentes. Em caso de morte, o valor é de R$ 13,5 mil. Para vítimas com invalidade regular, a recuperação pode alcançar ao mesmo valor. Para despesas médicas, o valor do recuperação é de até R$ 2,7 mil.

No entanto, o sem riscos não cobre danos materiais e acidentes que não envolvam veículos como carros e motos.

Pedestres também têm direito de receber o seguro DPVAT

De acordo com o presidente do associação dos corretores de sem riscos no Tocantins, é possível realizar o pedido da recuperação de maneira gratuita nas sedes regionais do associação. ” Nós possuimos a matriz do associação, em Palmas, porém possuimos sociedade com o Ministério Público e em cada comarca possui uma indivíduo que faz este atendimento e encaminha para o associação “, explicou.

Para permitir chegada no pedido de recuperação do sem riscos DPVAT é necessário um laudo médico, repartição da ocorrência, documentos pessoais e declaração de falta, em caso de morte. Para permitir chegada no vatagem não é necessário pagar nenhuma tarifa.

Não é por causa de o pagamento de sem riscos DPVAT em virtude de ilícito observado. Dessa maneira decidiu a 4ª quarto Civil do TJ/GO ao restruturar voto que havia dado o sem riscos DPVAT a assaltante que colidiu com outro veículo enquanto fugia da polícia. Para o colegiado, não é ajuizado que um postura antijurídico possa ser feito genitor do pagamento do predito sem riscos, fulano natureza é eminentemente comunitário.

Depois de surripiar uma mote com artifício de fogo, o assaltante passou a conduzi-la em alta rapidez no momento em que foi avistado pelos militares que estavam fazendo patrulhamento na região. Na rota de fuga, o denunciado colidiu a mote com outro veículo. O assaltante foi levado ao hospital e sucessivamente ajuizou atuação para ganhar o sem riscos. Em 1ª invocação, a seguradora foi condenada a pagar R$ 13,5 mil.

Perante da voto, a seguradora apelou da decisão sob o altercação de que o acidente automobilístico é efeito de postura ilícito observado pela parte autora, em fuga da polícia, caracterizando postura doloso observado pela própria vítima do fúnebre.

Por que os motociclistas recebem a grande maior parte do sem riscos DPVAT?

Há vários causas que fazem dos motociclistas os grandes recebedores do pagamento do sem riscos DPVAT. Inicialmente, as motos não contem a mesma proteção que os carros em correlação aos seus condutores. Os motociclistas ficam bastante mais expostos ao ameaça de uma violação ao longo um acidente, em razão de a queda é quase infalível.

Também, o algarismo de motociclistas vem crescendo bastante nos últimos 20 anos. A porção de serviços que utiliza motos nas cidades é alta, o que faz com que a esquadra aumente cada vez mais. Neste intuito, vários pessoas da graduação C conseguiram empregos e trabalham como motociclistas todos os dias, sendo a maior parte homens jovens de 18 a 40 anos.

Não por casualmente, de acordo com o Portal do Tráfego, 49% do completo de seguros DPVAT pagos em 2017 foram para condutores de 18 a 34 do volúpia masculino. Então, é necessário capacitar mais os jovens condutores para que façam suas viagens com segurança, evitando, por exemplo, a direção em alta rapidez.